Pesquisador Responsável: Licio Augusto Velloso

Coordenador de Educação e Difusão do Conhecimento: Ronaldo Aloise Pilli
 
Coordenador de Transferência de Tecnologia: João Eduardo de Morais Pinto Furtado
 
INSTITUIÇÃO SEDE
Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
Faculdade de Ciências Médicas
13084-970 - Campinas, SP - Brasil
55 19 3521-8022
obesity.ocrc@gmail.com

INSTITUIÇÕES ASSOCIADAS

Instituto do Coração (Incor/USP)
Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Folheto do Centro (pdf):

Centro de Pesquisa em Obesidade e Comorbidades

Primeiros resultados da BIPMed foram apresentados durante a FAPESP Week

Estudo com portadores de distonia apresentado em Michigan, nos Estados Unidos, mostra a importância de reunir dados genômicos sobre populações de referência no Brasil

Primeiro banco público de dados genômicos da América Latina é lançado

Plataforma foi desenvolvida no âmbito da Brazilian Initiative on Precision Medicine (BIPMed) – esforço promovido por integrantes de cinco CEPIDs apoiados pela FAPESP

Alimentação saudável na adolescência

Ações educativas promovidas pelo Centro de Pesquisa em Obesidade e Comorbidades oferecem a estudantes do ensino público informações sobre os alimentos e suas implicações para a saúde

Museu Exploratório de Ciências da Unicamp tem exposição sobre luz e cor

A exposição tem o apoio da FAPESP e é resultado de parceria entre os três Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão sediados na Universidade Estadual de Campinas

CEPID em Obesidade publica na Endocrine Reviews

Grupo de pesquisa busca identificar mecanismos que ligam dietas muito ricas em gordura saturada com o desenvolvimento de obesidades

Trato gastrointestinal está relacionado com a resistência à insulina

Microbiota de obesos e pacientes com diabetes tipo 2 induz produção de maior nível de lipídeos da membrana de bactérias e menor quantidade de ácido graxo envolvidos com intolerância ao hormônio, apontam estudos

Estudo desvenda como exercícios protegem o pâncreas de diabético

Substância secretada pelos músculos em resposta à atividade física protege in vitro as células produtoras de insulina de situações que mimetizam o ataque autoimune do diabetes