Mapeando o “genoma” do vidro
Novas funcionalidades para o uso de materiais vítreos, como resistência mecânica e condutividade elétrica, são foco do Centro de Pesquisa, Educação e Inovação em Vidros

O Centro de Pesquisa, Educação e Inovação em Vidros (Cepiv) tem como objetivo mapear o “genoma” do vidro e desenvolver vidros ativos e vitro-cerâmicas por meio de pesquisa fundamental sobre estrutura e propriedades, utilizando espectroscopia e métodos de caracterização funcional.

 
 
O grupo principal é constituído por 14 pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e da Universidade de São Paulo (USP) em São Carlos, especialistas em engenharia, química e física de materiais vítreos, em cristalização em vidros e em uma vasta gama de estruturas e técnicas de caracterização funcional. Eles supervisionam cerca de 50 pós-doutorandos e estudantes que estão envolvidos em pesquisas com vidro e vitro-cerâmicas e formam uma grande rede nacional e internacional de colaborações.
 
O Cepiv busca desenvolver materiais com novas funcionalidades, tais como alta resistência mecânica e condutividade elétrica, atividade biológica, óptica ou catalítica, e/ou que combinem essas propriedades. A investigação básica é feita por meio de estudos sobre a organização estrutural desses materiais, com o apoio de técnicas como Ressonância Magnética Nuclear (RMN), Ressonância paramagnética eletrônica (EPR) e Extended X-ray Absorption Fine Structure.
 
Os laboratórios participantes do Cepiv concentrarão esforços na investigação de materiais ópticos (óculos de laser), materiais para reforço estrutural de uso odontológico, dispositivos para armazenamento de energia (eletrólitos e selantes para alta temperatura) e sistemas cataliticamente ativos. A agenda de pesquisa será complementada por atividades de educação e pelo desenvolvimento e transferência de tecnologia.

(Foto: Vladimir Fokin)